segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Barragem de Itaipú


Itaipu, maior barragem hidrelétrica do mundo, faz 30 anos
le monde Sul-americana mantém posto ao superar a recém-construída chinesa Três Gargantas A maior barragem hidrelétrica em operação do mundo, Itaipu, situada na fronteira do Brasil com o Paraguai, e cuja capacidade instalada é de 12.600 mega-watts, comemorou nesta segunda-feira (17/05) os trinta anos do início de sua construção.Dotada de um muro de concreto de 120 metros para a queda das águas, a barragem de Itaipu, onde trabalham atualmente 360 pessoas, é uma obra monumental. Segundo os engenheiros que participaram de sua edificação, o concreto utilizado teria permitido construir 210 estádios de futebol do tamanho do célebre Maracanã, do Rio de Janeiro, enquanto a quantidade de ferro utilizada seria suficiente para edificar 380 torres Eiffel. Em 5 de maio, esta barragem bi-nacional (Brasil-Paraguai) havia celebrado vinte anos de produção de energia. Em 2003, ela forneceu 92% da energia elétrica consumida no Paraguai e 23,1% da energia do Brasil, um país de mais de 170 milhões de habitantes, segundo declarou Jorge Samek, o diretor da parte brasileira da barragem. Construída por 40 mil homens em Foz do Iguaçu (no Estado do Paraná, no sul do Brasil), sobre o rio Paraná, Itaipu ainda é a maior barragem do mundo em matéria de produção de energia. O seu custo, de US$ 12 bilhões (equivalente hoje a R$ 37,17 bilhões), havia sido financiado por meio de créditos internacionais. Ela ainda supera uma outra gigante mundial, a barragem hidroelétrica chinesa das Três Gargantas, que foi construída recentemente. Por exemplo, cada uma de suas 18 turbinas tem a capacidade de gerar 700 mega-watts, contra 680 para a barragem chinesa.Entretanto, no Brasil, onde cerca de 90% da energia produzida é de origem hidroelétrica, 12 milhões de pessoas ainda não dispõem da eletricidade, sendo que a maioria delas mora no nordeste rural e pobre do país, deplora Jorge Samek. A companhia estatal Itaipu, que produz eletricidade há vinte anos, terminará apenas neste ano o reembolso dos créditos que haviam permitido o financiamento da construção da barragem. Atualmente, segundo Jorge Samek, ela tem um orçamento anual de R$ 2,4 bilhões (R$ 7,43 bilhões), dos quais 75% são destinados ao pagamento da dívida, 14% ao pagamento de indenizações aos Estados e às cidades que foram atingidos pelas inundações de terras em razão da construção da barragem, enquanto o resto (11%) representa o custo operacional. Turbinas adicionaisA barragem de Itaipu contribui, junto com a Companhia Nacional Petroleira, a Petrobras, para garantir a maior parte do excedente primário (receitas menos despesas de funcionamento) do Brasil. Neste ano, Itaipu deverá representar 38% (mais de US$ 1,5 bilhão, ou seja, R$ 4,65 bilhões) do excedente primário das empresas federais. Com 18 turbinas capazes de gerar 700 metros cúbicos de água por segundo, o custo de produção de um mega-watt por hora é de US$ 16,08 (R$ 49,81), indicou Jorge Samek, que sublinha que este tipo de produção de energia é duas vezes mais barato que aquela produzida por uma usina nuclear. Em 2005, Itaipu alcançará a sua capacidade máxima de produção de energia elétrica, quando duas turbinas adicionais entrarão em função, para chegar a um total de vinte. Desde os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos, a central hidrelétrica dispõe de um sistema de segurança de última geração, que inclui um radar e uma rede de 109 câmeras de televisão fixas e móveis.

Nenhum comentário: