quarta-feira, 6 de maio de 2009

CONSTRUÇÃO CIVIL RESISTE À INDUSTRIALIZAÇÃO

A construção civil responde por uma fatia expressiva do PIB brasileiro - 16% -, mas é o único setor da economia nacional que ainda não se industrializou, alertou o engenheiro Luiz Henrique Ceotto, diretor da Construtora InPar, durante o seminário Inovação na Construção Civil Brasileira, realizado no dia 31 de março em São Paulo. Promovido pelo Instituto UNIEMP (Fórum Permanente das Relações Universidade-Empresa), o evento teve a participação de empresários, executivos, pesquisadores e lideranças da construção civil."Até alguns anos atrás, os setores que resistiam à industrialização no Brasil eram a agricultura, o têxtil e a construção civil", lembra Ceotto. "A agricultura se modernizou é hoje é responsável pelo superávit da balança comercial brasileira; o setor têxtil deu a volta por cima, conseguiu preços internacionalmente competitivos e hoje exporta seus produtos; já a construção civil continua utilizando métodos arcaicos e ultrapassados". Para o diretor da InPar, a resistência à industrialização é "um obstáculo ao desenvolvimento do setor". Entre 2001 e 2003, o PIB da construção civil acumulou queda de 12,7%; em 2004, teve desempenho positivo (5,9%) semelhante ao PIB nacional (5,2%).Na avaliação de Luiz Henrique Ceotto, se a construção civil brasileira adotasse a industrialização em grande escala, "poderia se tornar um dos setores da economia a liderar o processo de aumento da produtividade brasileira".O dado contraditório é que a construção civil brasileira já tem acesso a produtos e sistemas construtivos com tecnologia tão avançada quanto em qualquer outro país. Mas não os utiliza, a exemplo do drywall - ou 'construção seca'. "A parede de alvenaria, além de ser improdutiva e tecnologicamente atrasada, não atende às exigências de desempenho das edificações modernas; no entanto, o setor se nega a adotar construção seca mesmo conhecendo suas vantagens", afirmou Luiz Ceotto.Ainda são poucos os exemplos de inovação, na prática, da construção civil brasileira. Um deles é oferecido peça Munte Construções Industrializadas, que faz elementos pré-fabricados de concreto. Ela investiu R$5 milhões em uma nova planta industrial baseada no Lean Thinking, sistema desenvolvido pela Toyota que visa reduzir o tempo de produção e aprimorar a qualidade. Com o novo sistema, a Munte reduziu o tempo de fabricação da telha W de 22hh/m3 (horas-homem por metro cúbico de concreto pré-fabricado) para 13 hh/m3.Como resolverWalter Cirillo, presidente da Rhodia e do conselho deliberativo do UNIEMP, fez, na abertura no Seminário, uma analogia entre a construção civil e a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária). "Em trinta anos de funcionamento e atuando em várias frentes, a Embrapa foi responsável pela criação de novas tecnologias que proporcionaram um aumento expressivo da produtividade agrícola no Brasil", argumentou Cirillo, e inferiu: "Se tivesse sido criada uma 'Embrapa' da construção civil, certamente este setor também teria gerado e agregado progressos tecnológicos expressivos". Para ele, uma alternativa seria reunião de diferentes competências - empresas, universidades, institutos de pesquisa e entidades do setor - visando à promoção de ações inovadoras na construção civil brasileira.A proposta do presidente do conselho deliberativo do Instituo UNIEMP já encontra eco no segmento do cimento. Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP) criou a Comunidade da Construção, que incentiva as construtoras e indústrias a investir em tecnologia de processos construtivos à base de cimento e a dividir os custos. A Comunidade tem conselhos instalados em 16 cidades do Brasil. "Formado por construtoras, empresas de materiais de construção, universidades e órgãos como Senai e Sesi, cada conselho elege um problema prioritário para o qual os investimentos em tecnologia serão dirigidos; a ABCP atua no planejamento e metodologia", informou Valter Frigieri, gerente de Planejamento e Novos Projetos da ABCP-SP.Preocupação do governoA inovação tecnológica é vista pelo governo federal como fundamental para diminuir o déficit nacional de 6,7 milhões de habitações. De acordo com Aser Cortines Peixoto Filho, vice-presidente de Desenvolvimento Urbano e Governamental da Caixa Econômica Federal (CEF), 91,6% desse déficit está relacionado a quem ganha menos de cinco salários mínimos, sendo que 83,2% desse contingente não tem condições de arcar com a compra de um imóvel. "A Caixa considera essencial o desenvolvimento de novas tecnologias para diminuir o custo das habitações populares e assim garantir o acesso da população de baixa renda", afirmou Peixoto.O governo federal quer também garantir a qualidade das habitações. "Por isso, a implantação do Sistema Nacional de Avaliação Técnica - Sinat - será essencial para a avaliação das novas tecnologias a serem utilizadas no processo de construção", afirmou a coordenadora do Programa Brasileiro de Qualidade para Habitação (PBQPH) do Ministério das Cidades, Maria Salette Weber. O Sinat deverá ser implantado ainda este ano pelo Ministério das Cidades.A necessidade de inovação tecnológica não está relacionada apenas à construção de mais habitações. Segundo Aser Cortines Peixoto Filho, o Brasil tem um déficit de 5,4 milhões de habitações urbanas. No entanto, nas regiões centrais das cidades há cerca de 4,6 milhões de habitações vagas, que poderiam voltar a serem ocupadas. "Precisamos ter mais empresas especializadas neste segmento, pois a recuperação de imóveis exige tecnologias diferentes da que é usada na construção", disse Peixoto.Segundo ele, na Europa cerca de 60% das atividades da construção civil estão direcionadas para a recuperação de imóveis. Apesar de ser uma tendência mundial, apenas 5% das construtoras brasileiras atuam neste mercado. Para o diretor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, Vahan Agopyan, "as construtoras brasileiras não perceberam que a recuperação de áreas degradadas é um filão de mercado; e, se não acordarem em tempo, essas oportunidades poderão ser exploradas por grupos estrangeiros", disse.SustentabilidadeVahan Agopyan enfatiza que a sustentabilidade ambiental é outra grande tendência da construção civil em todo o mundo. Segundo o pesquisador, a sociedade está exercendo forte pressão para a construção civil diminuir o impacto de suas atividades no meio ambiente. Por isso, é necessário que o setor proponha e desenvolva programas com a participação do governo, de entidades ambientalistas e da sociedade. "Do contrário, muitas leis relacionadas ao meio ambiente e que afetam diretamente a cadeia produtiva da construção civil podem ser aprovadas à sua revelia", afirmou; "e isso pode ter conseqüências nefastas para o setor".Nesse contexto, a inovação tecnológica, seja em métodos construtivos ou produtos, é um elemento estratégico não só para o desenvolvimento do setor como do próprio país. "A construção civil está diante de uma grande oportunidade de avanço; caberá ao setor decidir por qual caminho irá trilhar", disse Luiz Henrique Ceotto.

Nenhum comentário: